Visualizações de página do mês passado

sábado, 7 de julho de 2012

MISTÉRIO XVI - O MISTERIOSO CASO DO PINTINHO PELADO.




                          

                             No interior do Amazonas vivia Estanislau, homem bonito e muito cobiçado pelas mulheres da região,  casado com Roseli, pessoa simples, humilde e de pouca beleza, mas de caráter. O marido era fiel, não gostava de traição, queria somente que sua mulher tivesse um pouco de  vaidade. Achava que ela ficaria mais bonita se resolvesse se arrumar, passar um batom e vestir uma roupa mais elegante. Mas nada fazia a esposa sair daquele estado letárgico em relação à sua beleza.  Com o passar dos anos, mais simples ela se vestia. O marido comprava roupas, objetos de adornos e nada dela usar. Cansado com a aparência desleixada da amada, ele tomou uma decisão, iria embora e encontraria uma mulher mais bonita. Decidido, arrumou as malas despediu-se da chorosa esposa e prometeu que não mais voltaria. Ela que ficasse com sua simplicidade.
                             Depois de uma semana viajando em seu cavalo,  o homem já cansado avistou uma fazenda, parecia abandonada e como já era noite ele resolveu que descansaria ali até ao amanhecer. Atrelou o cavalo em um tronco e entrou na casa. Estava tudo escuro e tinha várias janelas na sala principal. Era uma casa comprida com muitos cômodos e estava extremamente empoeirada, não tinha móveis. Ele entrou em alguns quartos, mas devido à escuridão resolveu ficar na sala mesmo. Fez uma pequena fogueira e ajeitou um cobertor e já bastante cansado sentiu seus olhos pesados. Foi quando começou ouvir uma conversação vinda do fundo da casa. Estranhou muito, parecia que havia um grupo de pessoas. Ficou atento, mas não conseguia decifrar a conversa. Olhando para o comprido corredor que ligava os demais cômodos viu caminhando em sua direção um pintinho todo pelado,vindo bem devagarzinho e piando “Piu, piu, piu, piu...”. Quando o pintinho apareceu na claridade do fogo a conversação parou e  ele ficou ali, esquentando suas asinhas no calor da fogueira. Depois  ele voltou para o fundo e quando  sumiu na escuridão começou novamente aquela conversação, era muita conversa. Estanislau ficou apreensivo. Decidiu que não iria mexer com aquele povo. Se o descobrissem ali, explicaria que só ia descansar e depois ir embora. Ficou lá, quando seus olhos começaram a fechar, ouviu de longe “Piu, piu, piu, piu...”  Levantou a cabeça e viu o pintinho surgindo na escuridão novamente e as vozes silenciaram, a avezinha veio próximo ao fogo e ficou esquentando suas asinhas peladas. O viajante ficou observando assustado aquela pequena ave feia e magra. Depois voltou  tranquilamente para o fundo da casa e as vozes reiniciaram.
                                  Essa situação se repetiu mais umas quatro ou cinco vezes, sempre vindo aquele pintinho e as vozes silenciando e quando ele voltava para a escuridão as vozes retornavam.
                                   O homem mesmo assustado resolveu dormir. Ajeitou-se. E veio a avezinha “Piu, piu, piu, piu...”. O silêncio se fez total na casa, só se ouvia o pintinho. Ele chegou próximo ao fogo e Estanislau ficou olhando para ele sem levantar a cabeça. O pintinho começou a se transformar em uma mulher belíssima. Quando isso aconteceu o homem arregalou os olhos e ficou observando o que estava acontecendo. Aquela mulher linda de cabelos longos e negros, corpo jovial, lábios carnudos e pele de marfim estava sorrindo para ele e o convidando para se esquentar no fogo com ela. Ele levantou-se rapidamente hipnotizado pela beleza da moça. Ficaram ali no calor da fogueira sorrindo um para o outro e ela pegou uma batata que ele havia colocado no fogo e virou-a. Pediu para ele segurar no espeto para virar o assado,  ele segurou e ficou a olhar para o fogo e quando voltou seus olhos para a moça, tomou um susto tremendo, agora de bela ela estava feia, velha, desdentada, extremamente enrugada e sorrindo seu sorriso banguela e o convidando para comer batatas com ela. O homem saiu tropeçando no cobertor, abriu a porta,  montou no cavalo e saiu a galope. A mulher ficou chamando-o para comer batatas com sua voz fanhosa e quando ele sumiu na curva da estrada ela voltou a se transformar no pintinho pelado e saiu “Piu, piu, piu, piu...”. E Estanislau? Voltou para Roseli!








Nenhum comentário:

Postar um comentário